Em tempos de transição de empregos, presenciei algumas situações que todos sabem, mas poucos se lembram nesse período. Essas situações valem a pena serem lidas quando estamos nos posicionando novamente no mercado. São elas:

1 – Não espere respeito ao horário: Calculo por cima que do total de entrevistas que eu fiz, posso falar que em 99% delas não fui atendido no horário em que a empresa marcou. Para ficar claro, eu não impus o horário que eu podia, aceitei a primeira sugestão de horário proposta. Mesmo assim, a média ficou entre 20 a 30 minutos de atraso. Eu sei, você pode falar: mas todos têm problemas e imprevistos. É compreensível. Mas se você fosse atrasar para a entrevista, faltando uns 10 minutos, não ligaria e avisaria o atraso e confirmaria se mesmo com o atraso ainda seria possível? Pois é. Essa consideração é unilateral.

2 – Não espere comprometimento com datas: “Eu te retorno com certeza até sexta”, “Vamos fechar o processo até o final de abril”, yeah yeah… não crie expectativas. A estatística se mantém. Pouquíssimos (um ou dois) casos as pessoas retornaram no período que elas mesmo estipularam para lhe dar uma resposta. Novamente, imprevistos acontecem. Mesmo assim acredito que é possível retornar para o candidato e posicionar sua expectativa para seja lá quando o processo será concluído.

3 – Não acredite em acordos verbais: Esse é válido principalmente se você ainda está empregado e recebe uma oferta. A quantidade de rollbacks de coisas que estavam “certas” foi inacreditável. Se você estiver empregado, recebeu a oferta verbal e foi falar com o seu chefe que recebeu uma proposta do mercado e está querendo sair, você está errado. Só inicie o processo de desligamento quando receber uma confirmação efetiva (email ou um papel assinado).

4 – O processo é demorado: um processo seletivo demora em média um mês. O rh marca entrevista na próxima semana, depois da entrevista uma outra é marcada na semana que vem… isso demora. Desconfie de processos onde você faz tudo num dia e já recebe proposta. Ou

eles não tem candidatos porque a vaga é uma cilada ou você está com muita sorte esse dia.

5 – Leia os sinais: Se você não é um bom leitor de sinais, comece melhorando essa sua percepção. Os sinais ou indicadores que as coisas são boas ou ruins estão presente em quase todos os lugares. Empregos, relacionamentos, etc. Ter essa percepção é essencial. Repare em tudo: instalações da empresa, recepcionista, tipo de roupa que as pessoas usam, como seu entrevistador está vestido, a maneira como ele fala. Anote isso na sua cabeça e depois da entrevista faça um reality-check para saber se o que você viu bate com o que você ouviu do entrevistador. Desconfie de empresas que se dizem multi-nacionais poderosas e que são instaladas em mausoléus em lugares inacessíveis, por exemplo.

6 – Pesquise sobre a empresa: Leia tudo o que for possível sobre a empresa em todos os canais possíveis. Além de ser um ótimo ponto durante a entrevista, serve principalmente como uma baliza na hora que você está fazendo um reality-check.

7 – Não tenha medo de rejeitar propostas: É estranho. Você está procurando emprego, recebe uma proposta boa, mas não gostou da empresa de um modo geral? Não é um começo interessante dentro de uma empresa você já entrar com uma pré-concepção negativa da empresa. Lembre-se que você tem que ficar ansioso para o telefone tocar e chegar a notícia que você foi aprovado e não torcer para que o telefone não toque com uma proposta. Diga que não aceita e dê uma razão plausível.

 

Por fim, ainda vou insistir no “imprevistos acontecem”. Sim, acontecem. O tempo todo. Podemos nos prevenir em algumas situações, mas na maioria das vezes somos reféns de acontecimentos que estão acima da nossa vontade. Sendo assim, imprevistos acontecem o tempo todo, a diferença é como você sai deles. Essa é a principal mensagem que ficou clara para mim. Às vezes para a empresa alguma coisa fugiu do controle naquele processo e as datas ficaram comprometidas. Não há nada que a pessoa que lhe entrevistou poderia fazer para que isso não acontecesse. No entanto, ela pode sim, ligar e dizer isso de uma maneira humana. E dependendo da sua reação ela já testa se você tem um bom controle emocional para quando as coisas saem do controle.

Há também um outro mantra: não crie muitas expectativas até as coisas estarem realmente certas. É só um reforço do que eu falei no terceiro item. Mas de modo geral, até você assinar o contrato ou entregar sua carteira de trabalho você não está na empresa. Então, saber gerenciar a sua própria expectativa é um conceito chave para evitar desânimos nessa hora.

update 1 — para cargos gerenciais você pode resumir a busca assim: O LinkedIn (no plano premium job seeker) te dá visibilidade, mas a publicação de vagas é escassa. Já a Catho te dá muitas vagas por dia e você tem que selecionar quais são mais parecidas com o seu perfil. Caso conheça um outro mecanismo que você recomenda para vagas não técnicas, por favor, compartilhe.