Há algum tempo tenho observado padrões de comportamento em interações entre pessoas. Elas se repetem e não importa o ambiente que você está – trabalho, estudo, família, condomínio,etc. Aprendi, à duras penas, que o desconhecimento desses padrões faz com que a pessoa não saiba como reagir à ele. Pois fica confusa tentando por “lógica” em uma situação que não existe lógica. Nas interações em que cenário é “cliente-fornecedor (ou prestador de serviço)” ou entre pessoas que combinaram alguma ação ou entrega previamente acordados .São eles:

1 – Transferência de problemas: mais clássico, acontece quando você se vê lidando com problemas que não são seus e sim mal administrados por outras pessoas. Ex. O fornecedor não consegue lhe entregar a sua solicitação (novamente, previamente combinado e acordado) pois teve um problema operacional não excepcional e que ele deveria ter um plano de contingência para tal. Ou quando uma pessoa da sua equipe começa a chegar mais tarde e ter que sair mais cedo porque se mudou para uma cidade bem mais longe do trabalho. Lembrando, uma coisa é entender o problema, e tentar achar soluções ganha-ganha a outra é ter que se limitar a problemas impostos por outros aos acordos previamente combinados.

2- Inversão de valores: É quando você tem a nítida sensação de uma troca de papéis: cliente-vendedor, chefe-subordinado. Quem tem a responsabilidade do que? Você se pergunta o tempo todo por que o seu papel está sendo feito por outra pessoa. A pessoa que tem direitos se vê tomada por solicitações que não são da sua resposabilidade e sim da pessoa que está solicitando.

3- “Pagar” de maluco: Esse é simples. São situações onde a pessoa nega que fez algo que você está provando que ela fez. Exemplo, você abre um email que a pessoa escreveu e fala “você me respondeu isso aqui!”. E a pessoa retruca: “EU? Eu fiz isso? Não, não fiz”.

4- Se fazer de vítima: Esse padrão também é bem usado. É quando para todas as situações a pessoa se faz de vítima. Muitas vezes me pego pensando “nossa, deve ser um inferno viver na pele dela”. Pois parece que ela nunca teve opção de agir de outra forma. O mundo todo acorda e secretamente resolve consipirar contra ela – todos os dias. As pessoas são responsáveis pela maioria das consequências que elas estão sofrendo. Salvo algumas excessões, todos sabem os riscos das ações que tomam, ou deveriam saber. Não passe para outra pessoa um problema que você é responsável.

Esses 4 padrões core ou root, são interligados. Não há claras zonas de identificação de cada um. Muitas vezes em uma situação de conflito a pessoa passa de um para o outro rapidamente e tudo vira uma bola só. Nesses casos é sempre bom manter a calma e não misturar “banana com maça”. Trate de cada problema isoladamente.